Capital Humano

Sem calibre

iStock_000013522547_SmallASelecionar as pessoas certas para servir no Conselho é fundamental. Segundo as conclusões do Leading with Intent 2015, do BoardSource, se o grupo de conselheiros não for cuidadosamente formado quanto a habilidades, estilos de liderança e diversidade de pensamento e de repertório, o Conselho terá menor chance de ser efetivo em suas outras atribuições.

No entanto, de acordo com os resultados desse estudo:

-Em cada 5 dos altos executivos pesquisados, apenas 1 concorda fortemente que os membros do Conselho de sua organização apresentam o  perfil adequado.

58% dos altos executivos dizem que é difícil encontrar pessoas para servir no Conselho.

-A diversidade no Conselho melhorou ligeiramente, mas, no total, 25% dos Conselhos permanecem exclusivamente “brancos”.

Ou seja, tudo indica que encontrar executivos para compor um Conselho ideal tem sido cada vez mais difícil.

Por um lado, há uma escassez de profissionais de calibre, com a capacidade de trazer diferentes pontos de vista e que demonstrem algum conhecimento especializado (por exemplo, do setor de novas tecnologias de internet, para tratar da proteção da propriedade intelectual, tendências sociais, etc).

Mas, ainda que seja árduo, Conselhos precisam assumir a responsabilidade pelo processo de recrutamento estratégico dos membros, fazendo disso uma prioridade. Afinal, o Conselho não tem ninguém mais para culpar além de si mesmo quando seus membros apresentam perfis inapropriados — quem tem controle sobre quem vai fazer parte do Conselho, seja elegendo diretamente os membros, seja por meio de comitês, políticas e procedimentos que envolvem eleições, é o próprio Conselho.

O ponto é que sem os perfis adequados fica mais difícil para o Conselho proporcionar uma governança efetiva que ajude as organizações a permanecer vitais, relevantes e conectadas ao seu universo de atuação.

Advertisements