Estratégia

Estratégia em um mundo VUCA

iStock_000069176183_SmallA“Se tudo está mudando o tempo todo, por que devemos nos preocupar com estratégia? Afinal, qual o papel desse pilar da alta gestão em um mundo cada vez mais VUCA (Volátil, Incerto, Complexo e Ambíguo)?” — quem questiona é o professor Marco Mancesti, do IMD.

Em um cenário como o atual, a estratégia, ainda que apresente algum planejamento de longo prazo, precisa ser continuamente renegociada. Por isso mesmo, seu papel acaba sendo ainda mais relevante, não só por alinhar objetivos da organização, mas por definir onde e como o Conselho e alta gestão devem atuar.

O fato é que, se mudanças estão ativas, há um risco em permanecer muito apegado ao direcionamento organizacional. Por essa razão, manter atenção ao ritmo do setor de atuação da organização é fundamental. Para as organizações, a estratégia acaba sendo um filtro que separa oportunidades de distrações.

A estratégia hoje precisa ser constantemente reavaliada para se manter alinhada ao ritmo do ambiente. Nesse sentido, ela precisa ser mais flexível para se adaptar diante das mudanças.

De acordo com Mancesti, a mudança em si não é nova. Muitas técnicas já foram desenvolvidas para lidar com ela (vide Michael Porter). A diferença, segundo ele, é que a natureza VUCA dos negócios atuais e a escala de mudança que ela opera agora é maior: “A diferença é que o ritmo da mudança, o imediatismo, a extensão do impacto e do número de forças para ser levados em consideração têm aumentado drasticamente”, aponta.

Então, como se deve pensar sobre estratégia hoje? Mancesti aconselha uma abordagem integrada para a análise de stakeholders e do ambiente externo. “Não podemos mais ter uma dicotomia entre a nossa forma de avaliar stakeholders (pessoas, instituições) e fatores gerais em nosso ecossistema. Eles precisam ser entendidos como um todo: É o que chamo de forças em jogo. Além disso, já que a mudança não é mais a exceção, mas a regra; então também temos de colocar essas forças no centro do nosso pensamento estratégico”.

Como disse Jack Welch: “Veja as mudanças como uma oportunidade — Estar aberto para a mudança é uma vantagem, mesmo que isso signifique colocar parte da empresa no meio de uma confusão por um período de tempo”.

A função do Conselho é ajudar a regular as expectativas apropriadas para a estratégia definida pela alta liderança. No cenário VUCA, o questionamento deve ser uma constante, para que as respostas às mudanças sejam rápidas e pertinentes. O importante é que o Conselho permaneça verdadeiro aos valores corporativos, que regulam a cultura organizacional e proporcionam um claro propósito.

Advertisements