Capital Humano

Atributos de um bom mentor

Explaining ideaDizem que entrar para um Conselho é como iniciar uma nova carreira. Isso porque ser bom em uma profissão não garante que o sujeito será um bom conselheiro.

Nesse sentido, o mentoring é um meio eficaz e de baixo custo para preparar novos membros de Conselhos para exercer suas funções plenamente. Como uma estratégia valiosa que permite conversar abertamente e em segurança com alguém mais experiente, esse processo ajuda novos membros a entender melhor seu papel de conselheiro e a reduzir sua curva de aprendizado, fazendo sua participação ser mais produtiva desde o início do mandato.

Em geral, o “mentor de Conselho” é um membro que concorda em servir como orientador ou consultor informal de um recém-chegado alto executivo. Ele pode ser vital para ajudar o executivo a desenvolver uma perspectiva mais ampla e mais fundamentada para discutir sobre desafios e questões de forma útil e responsável. De fato, o mentor proporciona um espaço seguro de reflexão.

No entanto, especialistas que investigam os prós e os contras de ter um mentor alertam que, antes de eleger alguém, é importante prestar atenção em algumas características que fazem um bom mentor de Conselho. Para ter um bom mentor, Melissa Richardson, da Horizons Unlimited, especializada em mentoring, dá as seguintes recomendações:

Escolha alguém que você respeita, que é respeitado por outros e que vai ser um bom modelo a ser seguido. Nem todo executivo bem-sucedido exibe os tipos de comportamento que você gostaria de imitar.

Escolha alguém que tenha um histórico de ajudar os outros a reconhecer e atingir seu potencial. Relações de mentoring podem ser intensas. Busque alguém que vá manter o interesse e o entusiasmo.

Não é indispensável escolher alguém que você conhece, gosta e com quem se sente confortável. Essa pessoa pode não forçar seus limites nem desafiar seu pensamento suficientemente. Um pouco de desconforto é sinal de que você está aprendendo algo novo.

Procure um mentor com grande capacidade de comunicação — é fundamental que um mentor saiba ouvir e questionar. Você não quer alguém que vai “despejar” sua experiência em você, esperando que isso se torne aderente. Há um momento certo para dar conselhos, mas só depois de uma boa dose de escuta, sondagem e análise.

Por fim, opte por um mentor que demonstre autoconhecimento, equilíbrio e, acima de tudo, senso de humor. Quando as coisas ficam difíceis, você vai querer um parceiro que possa ajudá-lo a ganhar perspectiva e a dar uma boa risada.

Advertisements